Is there such a thing as too much success?

Submetido por SMP em 14 Agosto, 2006 - 18:33

... no que diz respeito ao direito de marcas, há. Uma marca que se torne de tal forma conhecida pelo público que passe a ser utilizada, em estilo de sinédoque, para designar o produto a que é aposta e não mais para indicar a origem empresarial do mesmo corre sérios riscos de deixar de merecer protecção legal. Quando eu era miúda, não conhecia a palavra berbequim. Para mim, até cerca dos treze anos, um berbequim era, pura e simplesmente, um Black & Decker, expressão que eu, aliás, nem sabia como escrever. Em Portugal a pastilha elástica nunca pegou, mas não há quem não saiba o que é uma Chiclet(e). E o que dizer da Gilette?
Embora estas marcas continuem a merecer protecção, ao que julgo saber, em Portugal como no estrangeiro, no puro rigor das coisas correm o risco de ver abalada a sua função primária que é a função distintiva. São marcas que tiveram sucesso junto do público, tanto sucesso, de facto, que roça o suicídio jurídico.
Os rapazes do Google sabem isto muito bem e, ainda que não soubessem, sentem-se um tanto confundidos com o sucesso que a marca alcançou, de tal forma que anda hoje nas bocas do mundo. Depois de ter consentido na inclusão da palavra (enquanto verbo) em dicionários de renome na condição de que o significado que lhe era atribuído não fosse o de pura e simples busca nos meandros na rede - mas o de busca através daquele específico motor assinalado pela marca – o gigante lançou-se agora na fúria das cartas cominatórias.
O meu palpite é que não lhes vai servir de nada, porque o homem é um animal que adora dar nomes às coisas. E sim, há mesmo alturas em que se confirma que é chato ser gostoso.

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Guardar configurações" para activar as suas alterações.
Submetido por Ricardo (não verificado) em 15 Agosto, 2006 - 04:43

A Xerox tem o mesmo problema, principalmente na américa do norte.
Enviou cartas a empresas e até colocou anúncios para que as pessoas não usassem os termos "xerox" e "xeroxing" como sinónimo de "photocopy" e "photocopying", respectivamente.
Isto já dura à algumas décadas. Até ver, é um empate: as pessoas continuam a "abusar" do termo "xerox", mas a marca "Xerox" continua protegida.
Imagino que é apenas isso que o Google pretende: mostrar que está a tomar medidas para proteger a marca para tentar que esta se mantenha como tal.

Submetido por SMP em 15 Agosto, 2006 - 16:31

Por acaso não me tinha lembrado da Xerox. No Brasil, o termo Xerox é utilizado para designar a acção de fotocopiar ou a máquina fotocopiadora, qualquer que seja a sua marca, com uma latitude desconcertante. Efectivamente, suponho que a intenção do Google seja esse marcar de posição a que se refere. Mas a queda da marca no campo da pura descritividade, em bom rigor, está mais nas mãos do público que do titular. Obrigado pela visita.

Submetido por Anónimo (não verificado) em 28 Maio, 2007 - 08:02

t2nexsiynr6ehwr isd9cwpjboulzyd5 [URL=http://www.960978.com/981924.html] tgo0317j10 [/URL] s2naukg7xq4llp

Submetido por Anónimo (não verificado) em 28 Maio, 2007 - 08:02

t2nexsiynr6ehwr [URL=http://www.960978.com/981924.html] tgo0317j10 [/URL] s2naukg7xq4llp

Submetido por Anónimo (não verificado) em 28 Maio, 2007 - 08:02

t2nexsiynr6ehwr http://www.326880.com/402649.html s2naukg7xq4llp

Submetido por Anónimo (não verificado) em 28 Maio, 2007 - 08:02

t2nexsiynr6ehwr 0r8fndvhxy s2naukg7xq4llp

Submeter um novo comentário



O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.

*

  • Tags HTML autorizadas: <a> <em> <strong> <cite> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd>
  • As linhas e os parágrafos quebram automáticamente