Apelo às armas

Submetido por SMP em 4 Abril, 2006 - 01:07

Há uns tempos que venho pensando na gritante falta, no nosso país, de uma organização deste género. Qualquer coisa que, longe de constituir apenas o playground de meia dúzia de anarquias pessoais e diletantes, representasse um esforço sério de colocar as novas e cruciais questões em termos rigorosos, técnicos, quando fosse preciso. Que arregimentasse (a palavra não tem de ser feia) engenheiros, juristas, estudantes, ou simplesmente cidadãos. Que não almejasse mudar o mundo, mas patrocinasse, pelo menos, o exercício do direito de defesa a essa arguida dos tempos modernos que se chama liberdade. A falta de tempo, de t€mpo, e o receio de ver gorar mais uma vez um esforço para intervir politicamente (lato sensu...) foi-me levando a adiar o projecto e a necessária escritura pública. Mas não completamente: os estatutos dessa associação futura já estão esboçados e uma despretensiosa declaração de princípios também vai tomando forma na minha cabeça. Sem que possam assumir forma definitiva na ausência dos futuros colegas de causa.
Portugal é o velho país de brandos costumes, pensava eu; sem tendências securitárias, sem um lugar que se visse na economia mundial, o apelo às armas tardaria a chegar. Mas as últimas notícias têm-me feito ver que talvez não haja assim tanto tempo para deixar maturar as ideias. Os ataques estatais à privacidade do indivíduo, os abusos do sistema de direito intelectual, a conjunção de interesses económicos e do poder político na criação de uma rede de vigilância cada vez mais eficaz estão, afinal, na soleira da porta. Antes que a causa esteja perdida, portanto (e por muito respeito que eu tenha às causas perdidas!), gostava de convidar todos aqueles que, sem qualquer espécie de compromisso, gostassem de participar na criação de uma associação com os fins descritos a transmitir-me essa vontade deixando um comentário e os contactos neste post ou enviando uma mensagem para sandramartinspinto@gmail.com .